Que as Ideias fluam neste local de maneira sincera, inteligente e motivante. Que as pessoas sejam livres de expressar as suas opiniões e, se o entenderem, os seus sentimentos. Apenas assim se evolui!!

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Reflexões XV - O "pessimismo" do povo Português

Nós, Portugueses, sempre fomos dados a uma atitude pessimista e derrotista perante muitas situações, principalmente as más, do quotidiano. Sempre foi do nosso temperamento cairmos no lamento, no fado. Não será por acaso que este estilo de música será tão tipico da nossa Nação. 
É a vários níveis que se vê este tipo de atitude. Até na Religião. Nós nas Celebrações Religiosas temos a tendência para a solenização triste e repleta desaudade até nas próprias músicas. Veja-se o exemplo de Fátima. 
No dia a dia temos o hábito de nos lamentar dos nossos problemas à exaustão. Não para resolvê-los mas criar nos outros um misto de pena e admiração. E parece que cria um prazer nada sadio no espírito de muita gente. E o pior é a culpabilização própria e a dos outros.
No trabalho constitui uma força destruidora e muitas vezes pretexto para não resolver nem realizar nada. 
É um tipo de mentalidade que a meu ver não ajuda nada nem a quem lamenta nem a quem ouve. Apenas cria uma clima de mais pessimismo e desânimo. E isto é destrutivo. Tem de ser mudado!!



domingo, 30 de janeiro de 2011

"Gandhi" - O filme da minha vida

A biografia de um Homem único, notável que nos ensinou o verdadeiro caminho que a Humanidade deve seguir. Um filme monumental, muito bem concebido sendo uma referência no mundo do Cinema.

sábado, 29 de janeiro de 2011

A Economia de Seinfield

Três professores univeritários resolveram criar um site para explicar conceitos económicos baseando-se na famosa série Seinfield. Podem clicar aqui para ver.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Reflexões XIV - A Internet

A Internet veio trazer o conceito de aldeia global, de proximidade. Desde que foi criada muito da sua filosofia, acesso, utilidade foi alterado. Aquilo que inicialmente seria de uso restrito para fins governamentais nos Estados Unidos tornou-ne algo vírico, pandémico para o cidadão comum em que hoje em dia não se concebe trabalhar ou realizar muitas das tarefas pessoais sem o seu recurso. 
Graças à Internet o acesso à Informação a qualquer cidadão tornou-se verdadeiramente democrático, rápido, práticamente em tempo real. Conseguimos comunicar com os nossos entes queridos mais próximos ou distantes com a maior das facilidades. Conseguimos criar redes de amigos conhecidos e novos e assim explorar novas oportunidades. Conseguimos divertimo-nos.
Ora tudo isso exige de cada um de nós uma capacidade de descernimento e sensatez como nunca outro meio o exigiu. Devemos ter o cuidado de separar o trigo do joio. De nos acautelar dos eventuais perigos que possam surgir. Tudo isso depende de uma educação básica para a Cidadania, para um novo tipo de Cidadania.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Reflexões XIII - O Computador

O Computador é sem dúvida aquela tecnologia que mais evolução/transformação conheceu desde que começou por ser de alguns académicos até à sua massificação. É óbvia a sua mais diversa utilidade, desde ao processamento e armazenamento automático de dados e informação ao entertenimento. É indiscutível que faz parte integrante do nosso dia a dia. Em casa e no trabalho. Até na rua já o utilizamos. E com a integração noutras tecnologias a sua utilidade aumenta de uma forma exponencial.
É da nossa responsabilidade aprender a tirar partido das funções que mais nos convêm, ou seja, ser selectivos numa máquina que de dia para dia nos aumenta as ofertas a todos o níveis. Colocar o computador ao nosso serviço e não o contrário!!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Reflexões XII - A Religião

Actualmente a Religião tem sido cada vez mais afastada das nossas vivências, do nosso dia-a-dia. Aliás tem-se notado uma tendência para os extremos, ou para a sua total alienação ou para o completo fundamentalismo.
Isso faz-nos reflectir sobre a actual situação da sociedade em termos de valores, pensamento, opções e estilos de vida.
A Religião, além de uma referência a Deus, um modo de O adorar e de Lhe pedir ajuda, porque eu acredito que todas as crenças religiosas vão dar ao mesmo Deus, constitui uma fonte de valores que nunca teve par. Um referencial no qual o ser humano se pode guiar em todos os momentos da sua vida principalmente naqueles momentos mais complicados . Um modo de unir as pessoas, de criar laços, desenvolver "tribos" tão importante hoje em dia.
O mal está no mau uso que fazemos dela e das acções fundamentalistas que tomamos em nome dela. Há que ter bom senso e saber transmiti-lo às novas gerações e acima de tudo há que vivê-la. Principalmente hoje em dia onde o material se sobrepõe cada vez mais ao espiritual.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Reflexões XI - A Diversão

Hoje em dia muito se critica a juventude (já no meu tempo era assim) pelo facto de não saber divertir-se, gozar a vida. Se analisarmos bem este tópico verificamos que em certa medida esta afirmação está correcta. Ora vejamos. Quando os nossos filhos atingem a idade de sair, cada vez mais tardia, quais são os padrões de comportamento? Uma vigilância brutal, festas em locais fechados e a fazer o quê? Vemo-los a jogar em consolas ou a ver filmes. Mais tarde temos de os "largar". E para onde eles vão? Para discotecas meterem-se em "shots" para se afirmarem e o mais grave em substâncias mais nocivas. Com a idade os comportamentos agravam-se.    Deixamos de ter pulso neles e aí tudo depende da educação e da sorte.
Agora interrogo-me, de quem é a culpa? É claro que estamos num Mundo que não é igual ao que os nossos pais viviam. Temos de tomar atitudes de protecção que na altura deles era impensável. Mas aqui o fundamental, o cerne está na cada vez mais ausência de valores e referências que leva a um facilitismo atroz. Que adultos vamos ter? Já não estou a falar nos de hoje!!
Para terem uma ideia do que falo deixo aqui um vídeo. Vejam e reflitam:
video


segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Reflexões X - A Cidadania

Já os Gregos Antigos se preocupavam com este termo que com o tempo se parece ter diluído no nosso vocabulário. Sempre se procurou uma definição o mais aproximada possível, centrada não apenas nos Direitos do Cidadão mas também nos seus Deveres. Esse conjunto de valores que de cultura para cultura ou de época para época poderá ter as suas diferenças mas na sua essência resume-se à mesma essência. 
Hoje em dia parece termos perdido bastante a noção de Cidadania. Ou quando a lembramos apenas nos centramos nos nossos Direitos. Que julgamos adquiridos. Queremos ter acesso a tudo, a todos os serviços que um Estado fornece e mesmo assim exigimos mais e mais. Quando as coisas correm mal temos a tendência de culpar os outros e o sistema. Esquecemo-nos de que todos fazemos parte deste mesmo sistema e da sua dinâmica. Deixamos de ser cidadãos activos e participantes. Não exprimimos ideias novas, não participamos em acções cívicas tal como votar, intervir.
Assim que tipo de cidadãos estamos a ser e que tipo de cidadãos estamos a preparar para o futuro? Que Mundo estamos a moldar?

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Reflexões IX - A Rádio

A Rádio sempre foi uma companhia inestimável desde o início do século XX. Através deste magnífico aparelho gerações puderam encontram uma companhia onde se podia ouvir as músicas mais recentes (e antigas), estar ao corrente das notícias, especialmente em ocasiões de Guerras, catástrofes, isolamentos forçados, acontecimentos gloriosos como os grandes Jogos, campannhas políticas, saber a opinião das mais variadas personalidades influentes nos mais diversos sectores da sociedade, acompanhar as tendências das modas, as evoluções na aldeia, na cidade, na província, no país e no Mundo em que viviam. Que companhia inestimável em tantas horas de solidão ou partilhadas com outras pessoas.
Por isso a Rádio nunca acabará, nunca será substituível. Tal como antigamente o tinhamos à cabeceira ou na mesa da sala ou da cozinha, hoje em dia já o levamos no nosso carro, junto a nós no meio do passeio da rua. Uma das melhores invenções que aproximou o Mundo e espalhou notícias, ideias, sons e sonhos.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Reflexões VIII - A Televisão

Já há décadas que a famosa caixa mágica faz parte das nossas vidas. Talvez actualmente não passemos tanto tempo em família diante dela devido a existência de outras "distracções" tais como o cinema, o computador e a internet que nos isolam mais. Mesmo assim pode-se afirmar que consome boa parte do nosso tempo.
É pois responsabilidade de quem produz os conteúdos e as grelhas de programação tentar seleccionar aquele formato não apenas para atrair audiências mas também para ter uma vertente mais lúdica e responsável.
Choca-me pois a facilidade com que as televisões noticiam em exagero o que de pior aconteceu sem muitas vezes dar ênfase a boas notícias que nos pudesse animar. Também os horários da programação infantil a iniciar praticamente de madrugada para enfiar na maior parte das vezes "lixo" na cabeça das nossas crianças. 
Como consequência temos uma sociedade que está convencida que vive num mundo onde apenas existem coisas más e que o melhor a fazer é enveredar pela via do facilitismo, dos "talk-show", de trepar o próximo para vencer.
A Televisão com uma boa programação é um excelente e único meio para muita gente de propagação de Conhecimento do Mundo. É bom que existam meios assim. Agora depende de nós saber utilizá-los.
Que valores vamos deixar aos nossos filhos? A responsabilidade começa em casa mas abrange toda a sociedade.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Reflexões VII - O Teatro/Musical

O Teatro nunca me atraiu como o Cinema. Já um Musical causa-me outro pazer. Talvez pela Música em si. Mas devo admitir que existe uma beleza numa peça de Teatro que não se consegue sentir nunca numa sala de Cinema. A presença dos actores, os cenários em si causam no espectador uma sensação de presença que consegue transmitir a história de uma forma que o Cinema nunca o conseguirá fazer nem com todos os seus efeitos especiais. Aquele "contacto" especial entre o espectador e os actores é algo mágico que se transmite em ambos os sentidos. E que acaba por ser gratificante de uma maneira impar até para os actores. Estes sentirem a sala cheia, os aplausos, os risos, as lágrimas, enfim todas as emoções nos espectadores é algo que num actor deve ser a "cereja no bolo", talvez mais que os prémios posteriores.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Reflexões VI - A Arquitetura

A Arquitetura é provavelmente das Artes mais complexas e completas que existem e da qual o cidadão comum raramente se apercebe. Claro que gostamos de admirar uma bela obra tal como uma casa distinta e bem enquadrada na paisagem, uma ponte que além de exercer a sua função de união constitui por vezes um belo elemento decorativo no meio em que se insere, enfim uma infinidade de estruturas úteis para todos nós. 
O que não nos apercebemos desta bela Arte é a exigência do enquadramento entre a obra e a sua funcionalidade no momento da sua concepção pelo seu Mestre. A uma casa não basta ser bonita, tem de ser habitável. Uma ponte tem de ser transitável. Há que saber não apenas "desenhar" mas também escolher os materiais, a sua disposição, as proporções de cada um. Toda a estrutura tem de estar coesa para exercer a sua função, para ser agradável em todos os aspectos e para ser resistente. 
Portanto esta arte é daquelas que mais exigem nas mais diversas áreas do Conhecimento e quando bem concebida pelo seu Mestre deixam-nos obras que perduram no tempo para nossa utilização e contemplação.






segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Reflexões V - A Fotografia

A Fotografia é uma das actividades que sempre me deram mais prazer. Não apenas para registar aqueles momentos especiais com aqueles que me são mais queridos, a minha família, os meus amigos mas também para "exercer" alguma criatividade e tentar captar algo mais que um simples momento. E é isso que faz um grande fotógrafo que trabalha para publicações ou por simples prazer. Contemplar essas Fotos é algo maravilhoso e que estimula a nossa imaginação nos cria diversos sentimentos. 
Ao longo dos tempos o Homem tentou captar aqueles momentos especiais através das mais diversas artes, como a pintura, o desenho. Quando descobriu a fotografia um grande passo se deu. E desde então a evolução da tecnologia de obtenção de imagens não tem parado. De modo a que hoje em dia qualquer um pode captar o seu próprio momento.
Uma imagem é uma imagem, faz-nos recuar até aquele momento e recordar e/ou reflectir sobre aquilo que a foto nos quer transmitir. E uma foto bem tirada, quer a cores quer a preto e branco consegue-nos "transportar" para aquele momento, para aquele estado de alma, para aquela paisagem, para aquele encontro, enfim, para o que o fotógrafo nos quer transmitir.

sábado, 15 de janeiro de 2011

"Father and Son" - Cat Stevens

Uma das Músicas que mais me toca quando a ouço e cuja Letra tem um especial significado. Um grande cantor que sempre soube transmitir os seus valores.



sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Reflexões IV - A Pintura

Nunca fui de "perder" muito tempo a contemplar uma pintura, um quadro, uma tela. Mas dá-me imenso prazer deparar com um belo quadro e quantas vezes pergunto o que iria na mente de quem o criou. Muitas vezes é óbvio e muitas outras não o é tal como na pintura abstracta. Mas todo o tipo de pintura tem o efeito de nos transportar para outros Mundos, reais ou imaginários, belos ou horrendos, tranquilizadores ou arrebatadores. Um bom pintor tem o dom de nos fazer transportar para o Mundo que ele pretende-nos transportar. 
E uma pintura pode representar tudo o que o pintor quiser, uma pessoa, uma paisagem, uma cidade, um cenário idílico, uma viagem, um repouso, tanta coisa. E é algo que fica lá sempre, naquelas cores, naqueles rabiscos.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Reflexões III - A Música

A Música sempre foi, desde tempos imemoriais, uma das mais belas formas de expressão do estado de espírito humano. Através desta bela arte o ser humano sempre conseguiu exprimir através de belas combinações de sons aquilo que muitas vezes parece ser a mensagens vinda dos Deuses. Uma mensagem que através dos séculos e nas mais diversas culturas perduram no tempo em Obras de Mestres que foram tocados pelo Divino. Nas suas mais diversas formas, a Música consegue divertir-nos, relaxar-nos, fazer-nos reflectir sobre os mais diversos aspectos da existência humana. Qualquer um pode cantar ou até tocar algum instrumento se assim lhe aprouver e isso traz mais alegria à sua Alma. Pode até criar a sua Música. A Música está e sempre estará presente nas nossas vidas e ainda bem que assim é.



quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Reflexões II - A Literatura

Um Livro é de longe aquela fonte de transmissão de saber por excelência desde tempos imemoriais. Pode-se afirmar que o Livro é um tesouro, um dos melhores amigos de uma pessoa. Através dele vivemos aventuras e romances, viajamos no tempo aprendendo sobre factos históricos e/ou sobre opiniões diversas e análises desses factos. Um Livro permite-nos "viajar" na mente e imaginação de quem o escreve e quanto mais sublime for essa mente melhor essa viagem decorrerá. Isso faz a diferença entre um grande escritor e um escritor vulgar. É isso que vai fazer com que as obras perdurem no tempo ou sejam efémeras. De qualquer modo é muito importante cultivar o dom e o prazer da Leitura. Apenas assim aumentamos o nosso Conhecimento, mantemos o nosso Cérebro activo e um prazer que não se esgota. O hábito de ler e de escrever é algo que nunca irá desaparecer enquanto o génio humano assim o quiser e tiver algo para transmitir e for curioso. Mas isso exige perseverança e criatividade.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Reflexões I - O Cinema

O meu passatempo favorito é e sempre foi o Cinema. Sempre adorei um Bom Filme e a sensação de estar ou na Sala de Cinema ou em Casa e de o disfrutar é algo que sempre me fez bem. O fascínio de ser "transportado" por 2 horas para outra "realidade" e de sonhar e viver outras aventuras, de aprender sobre acontecimentos históricos tão bem retratados em certos filmes, de meditar sobre os mais variados aspectos da existência, de reviver obras imortais de escritores imortais ou de descobrir uma nova obra, uma nova revelação tudo isso e mais tem sido tão bem permitido pelo Cinema de diversas partes do Mundo.
Hoje em dia em que o Cinema é uma Indústria que se impôs e atrai milhões, constitui uma nova forma de transmitir aquilo que antigamente os Livros nos transmitiam, sem os substituir está claro constitui sem dúvida uma via de transmissão de conhecimento poderosa e responsável por isso. Um bom filme não necessita de ter grandes efeitos especiais. Basta ter uma boa história, algo para nos transmitir desde princípios, valores, factos históricos a sonhos. Tudo o que faça a nossa essência avançar. Bem haja quem concebe esse tipo de filmes.